Fragmentos, Uncategorized

Com a cara no chão…

Essa semana vou ter uma reunião com diretor de uma empresa para convencê-lo a participar do projeto de uma amiga. Um projeto lindo, que se as coisas fossem como deveriam ser, ele se venderia por sí só, sem precisar de alguém para enfeitá-lo com purpurinas.

Mas vou lá, porque é meu trabalho, tenho uma comissão sobre a venda, tudo como manda a lei. Mas não sou uma excelente vendedora.  Me lembrei demais de um lance que aconteceu comigo há alguns anos, quando estava fazendo a mesma coisa, ou seja, vendendo um projeto.

henri-matisse-silfide-1926

Naquele dia me arrumei toda, com a cabeça a mil, pronta para a reunião que estava marcada há algumas semanas. Tudo dentro dos conformes. O projeto era bom, o cliente já estava conversado, ia ser coisa tranquila. Fui preparada para a ocasião, penteada, maquiada, unhas feitas, levemente perfumada e com meus amados scarpins vermelhos. Tudo correu bem, a reunião foi super produtiva.

francesca-galliani

Aí deu-se a merda. Depois de me despedir do chefão na porta, segui toda metida pelo enorme e vazio corredor que vai dar na saída. Detalhe: o piso é de porcelanato. P.o.r.c.e.l.a.n.a.t.o… ODEIO porcelanato. Então meu lindo scarpin vermelho me traiu e eu despenquei no chão, feito um saco de supermercado, sem ter onde me segurar. Pra mim foi em câmara lenta. Senti o pé escorregando, as pernas voando pra cima, o queixo batendo no ladrilho. A bolsa se esparramou no chão, quanta porcaria a gente carrega numa bolsa, meu deus – e a cabeça pensando rápido em como conseguir manter a dignidade naquela situação tão punk. Me levantei, juntei as coisas, joguei tudo dentro da bolsa, segurei a onda e segui em frente.

basquiat

Não vi nenhuma pessoa nas portas do corredor, ainda bem. Mas aí resolvi dar uma olhadinha pra trás e quem estava lá, vendo tudo, com um sorrisinho maligno no canto da boca? Advinhou. Que pobreza hein? Naquela hora, a vontade que dava era entrar embaixo da cama e nunca mais sair de lá.

ah, conseguimos o patrocinio…

Espero sinceramente que agora tudo corra melhor. Por precaução, meus sapatos terão um soladinho anti derrapante…

 

Ilustrações:

1  Andy Wahrol – Sapatos, 1955

2  Henri Matisse – Silfide, 1926

3  Francesca Galliani, 1999

4  Basquiat, 1981