Fragmentos

No meio do mato…

Não  tem nada melhor pra subir o astral desfocado do que passar um tempo trocando ideias com crianças. Foi o que aconteceu comigo.

Depois de algumas horas brincando com Maria Flor e Nina Morena, as netas, me tornei sócia das duas  num restaurante vegetariano que vai ser erguido em terras arborizadas da Chapada dos Veadeiros. Que tal?

E as tarefas já estão bem definidas. Maria, nossa arquiteta, já fez a planta baixa do restaurante, e a Nina começou a imaginar o cardápio. Eu, a mais velha, vou estar aqui e ali, com um pouco de calma, porque estarei velhinha, necessitada de uma bengala pra me locomover, segundo a Nina. Hahahaaa… claro porque tudo vai acontecer daqui a dez anos, ou onze, ou doze… e não vou estar morta, mas já bem velhinha e com necessidade de ajuda pra me locomover…

Como vai ser o restaurante:

Uma casa grande com jardim e quintal, no meio de muitas, muitas plantas. E uma horta gigantesca (bem assim). Muitas flores, muitas arvores frutíferas, muito verde. Uma mesa comunitária embaixo das árvores. No salão, no máximo dez mesas, com toalhas coloridas e vasos de flor.  Numa das laterais da casa, varandas enormes com redes, pra que os frequentadores possam descansar depois da refeição. Na outra, pequenas estantes com livros e gibis (!!!), tapetes e almofadas enormes, pras crianças se divertirem.

O cardápio é de delicias vegetarianas, com poucos pratos, pra não atrasar na cozinha. Mas terá duas opções de carne “porque tem muita gente que gosta, como eu”, diz a Nina. E sucos de todos os tipos, assim como chás e água. “Mas nem um vinhozinho” pergunto. “Não vó, nada de álcool”. Ok.

Maria participou da conversa com papel, esquadro, compasso, já desenhando nossas ideias. E preocupada com “o espaço para o fluxo das pessoas entre as mesas”… na varanda das redes, ela acha que pendurar na parede “vai ficar difícil para as pessoas circularem”, por isso criou uma estrutura de madeira só de um lado da parede, onde as redes podem ser montadas. Vão ficar bem pertinho umas das outras, “o que dá até pra ficar conversando”.

O nome do restaurante:

Ainda está em aberto. Mas a ideia que surgiu é “Vô ir lá”…porque isso é o que as pessoas vão dizer quando ouvirem falar da maravilha que estaremos administrando. E a pérola: “E pessoas francesas vão dizer voilá, o que tambem é ótimo”…

Me dei bem, foi ou não foi?

Estão convidados, todos vocês.

A partir de 2028, nos encontraremos na Chapada dos Veadeiros…

Voilá!