Fragmentos, Uncategorized

pretérito perfeito

Uma voz forte
Termina o trabalho de acordar-me
Em doce e velho italiano
Vou à cozinha
Com minhas pernas
Faço meu o próprio café
Ponho tanto açúcar
Quanto quero
Choro sobre o mamão
Picado no prato
Recolho as gotas como contas
Que ponho num colar
São lágrimas de saudades
Que tenho de mim.

 (Adriane Garcia)